Memórias de Woodstock: o gay que salvou o festival

O festival que mudou o mundo faz aniversário, e já tem quarenta velinhas em seu bolo. Depois de todo esse tempo, muito já se sabe sobre ele – quase tudo. O que é inédito para a maioria é a história de Elliot Tiber, “o gay que salvou Woodstock”.

Elliot Tiber em 1969 à esquerda e foto recente à direita: o charme em pessoa

Elliot Tiber em 1969 à esquerda e foto recente à direita: o charme em pessoa

A 145 km de Nova York de 15 a 17 de agosto de 1969 ocorreu a maior festa em prol da nova música, do amor livre; dos ideais de liberdade sexual, cultural, ideológico; do espírito comunitário, da paz. O festival aconteceu em Bethel, Nova York, mas, se não fosse Elliot, muito provavelmente não teria acontecido. O que sucedeu foi o seguinte: o festival já estava planejado para ser realizado em Wallkill, mas a câmara de vereadores local vetou o evento. Correm boatos de que um primo e um tio de Sarney eram vereadores, mas ninguém confirma. Enfim, o veto deixou Michael Lang – que estava produzindo o projeto – com um superproblema, já tendo sido gastos mais de 2 milhões de dólares. Eis que entra em cena nosso salvador, Elliot Tiber, que trabalhava num hotel de beira de estrada que seus pais haviam comprado, e teve a iluminação: “nós podemos sediar o festival”.

Capa do livro versão brasileira

Capa do livro versão brasileira

Elliot acaba de lançar um livro, de título Taking Woodstock (abrasileirado Aconteceu em Woodstock), em que conta tudo sobre a organização, o ritmo alucinante do evento, das frias e das glórias conquistadas. O livro serviu de base para uma comédia de Ang Lee, que chega aos cinemas no final deste mês, e que promete uma nova luz sobre o evento. Link para entrevista completa no G1: http://migre.me/5gP3

Por mais que os hippies americanos não tenham sido tão politizados quanto os universitários parisienses, a luta por uma moral mais branda foi mútua e importantíssima. E se hoje temos liberdades, opiniões, e direitos (como criar um blog para falar qualquer coisa), os devemos, inclusive, a pessoas como ele, Elliot Tiber.

3 Respostas to “Memórias de Woodstock: o gay que salvou o festival”

  1. achei legal q na foto da época ele parecia um cantor de MPB, mas é na foto d hj em dia q ele parece ter s esforçado pra parecer um hippie…

  2. Tadzi Mendes Says:

    Yeaaaaaah !!

    Vi esse livro ACONTECEU EM WOODSTOCK na livraria , adoro Rock, e comprei na hora !

    Já comecei a ler…. e está sendo uma delícia !! A história do Elliot e familia é demais ! hehehe

    Vou ficar aguardando o filme …. pelo trailer será excelente e muito divertido !!

    COMPREM O LIVRO TAMBÉM !!!!!!!

  3. Marcelo Joplin Says:

    O Livro é muito mais realista e interessante do que o filme. No filme é tudo muito bonitinho e e legal. Mas no livro se percebe tudo como realmente foi. A situação nua e crua vista por elliot.
    Livro muito boooooom! Filme nota 7,0

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: