Arquivo para Arruda

Domingo é carnaval do Fora Arruda no Eixão

Posted in ??????? with tags , , on 05/02/2010 by blogdobatman

RATM – Take the Power Back!! – só pra entrar no clima enquanto lê o post

———————————————————————————————

Onde você estará na manhã de domingo? Dormindo? Passeando com seu dog? Deixa de bobeira mano, vem curtir o carnaval. Domingo é dia de protestar contra o careca e seus amigos. Além de roubar (em fartas quantidades) nosso suado dinheirinho, Arruda e sua gangue ajudaram a transformar o DF, nos últimos anos, na meca da exclusão social e do provincianismo. Um tipo de governo que deixa os professores à mingua enquanto destrói areas verdes e massacra índios para construir bairros de luxo só pode ser um governo fascista.

Brasília é o centro do poder. A estrutura física da dominação está toda instalada aqui. Pois bem, na concepção dos donos do poder, tal lugar é de grande importância, não poderia ser na rédea solta. Brasília ainda vive na ditadura. Duvida? Pois veja: em qual outro lugar desse país as pessoas estão tolhidas de eleger os representantes e governantes de suas cidades? E em qual outro lugar do país o governo (no caso o GDF) é controlado pelo partido que era situação na época da Ditadura?

Brasília é plena de contradições. Paulo Octávio, nos anos oitenta, era um adolescente perverso, vagueando pelas ruas da cidade com seus amigos, igualmente perturbados, Fernando Collor e Luis Estevão. Em uma dessas andanças, em meados dos anos 70, o trio achou por bem estuprar e assassinar a menina Ana Lídia, que hoje nomeia um parque de Brasília. Pois bem, em época recente, Paulo Octávio foi um dos principais agentes, incorporadores e beneficiários da construção do  Sudoeste. Este bairro tem como um de seus atrativos o parque supracitado.

Estamos fartos de sermos governados por fascistas imbecis, psicopatas e bandidos dessa laia. O DF não é um latifúndio do Goiás e nós não somos nem idiotas nem covardes. Não adimitimos sermos tratados como rústicos peões esperando as ordens “do patrão”, com todo respeito aos peões.   

Tudo isso para dizer, meus amigos, que este domingo, dia 07, é dia de luta. E vai ser no Eixão, na altura da 102 sul, às nove da manhã, enquanto as donas de casa passeiam com seus inocentes cachorrinhos e os velhotes fazem caminhada. Vai rolar bateria de latas, samba enredos e carros alegóricos. Uma loucura.

Não deixe a preguiça te vencer. Venha lavar a alma.

Domingo é dia de trilha ecológica na Reserva do Bananal

Posted in Humanidade bizarra with tags , , , , , on 06/11/2009 by blogdobatman

A Reserva do Bananal é a última área de cerrado virgem na área do Plano Piloto. Apesar de ser protegida por lei, os tratores da TERRACAP já começaram a entrar na mata, preparando o terreno para a construção do Setor Noroeste. Por isso, o grupo Cerrado Vivo chama a todos e todas para uma trilha ecológica pela reserva, que acontecerá na manhã deste domingo, dia 08/11. A concentração ocorrerá na entrada do Setor Militar Urbano, ao lado do velho canhão que há lá, a partir das 10 h, com previsão de saída às 10:30h. Recomenda-se levar água e filtro solar. A caminhada será, provavelmente, uma das últimas oportunidades de apreciar a beleza daquele pedaço de cerrado. Os cidadãos de Brasília não podem assistir calados à destruição de seu patrimônio ambiental e dos indígenas que lá vivem, especialmente em nome dos lucros da bandalheira imobiliária que controla o DF nesses dias, nominalmente Arruda, Paulo Otávio e cia.

cerrado 06

Além da riqueza da biodiversidade do cerrado, a área da reserva ambiental possui várias nascentes que formam a bacia do Paranoá. Agora, a indústria da especulação imobiliária (que elege governadores e controla jornais no DF) está prestes a destruir todo esse importante patrimônio ambiental para a construção de um bairro de alto luxo, o Setor Noroeste, que terá o metro quadrado mais caro de Brasília (a Terracap divulga que o valor do metro quadrado será em torno de R$ 6.000,00). O bairro de luxo de Arruda e Paulo Otávio atingirá diretamente a qualidade de vida dos brasilienses, agravando questões como o trânsito, a poluição e principalmente o abastecimento de água. Mas não é apenas isso: a construção do Setor Noroeste também pretende expulsar da área uma comunidade indígena, composta por cerca de dez famílias, que vive lá a mais de 30 anos. Na prática, o massacre dessa gente já começou: o cacique Korubo, morador que vinha sofrendo ameaças de morte, está desaparecido já a seis meses, e uma moradia indígena foi incendiada de forma criminosa no local.

a beleza do cerrado